No meu bairro no Carregado, as opções para comer são severamente limitadas. Então, invariavelmente, eu frequento um lugar triste:
Um X-tudo na roulote da Antônia. No entanto, apesar do menu desbotado gravado na parede, cheio de imagens de comida pouco apetitosas, exibindo 500 itens que eu nunca encomendaria em um lugar como este, eles servem sinceramente o melhor hamburguer que eu já comi em Lisboa. É terrível para ti. É delicioso. Mas é carne de rua. E a julgar pelas longas filas, principalmente com a taxa de colesterol a subir, existem pessoas nos hospitais por frequentarem sitios como este.

Obviamente, este não é um artigo sobre culinária. Eu tenho uma apreciação por alimentos mais gourmet, mas, como mencionei, na minha vizinhança, não são fornecidos alimentos mais finos. Meus vizinhos e eu devemos nos alinhar na mesma fila para obter o mesmo tipo de comida porque não temos outra escolha. E as linhas podem ficar longas.

Mas eu não tenho que esperar na fila.

Eu sou servido assim que entro.

Porque eu dou gorgeta.

Toda vez que eu peço, deixo 50 cêntimos. E tenho certeza de que eu sou o único que o faz.

Este artigo trata-se de o poder de uma gorgeta.

Trabalhei em hotéis há mais de uma década; Principalmente na recepção. Check-ins e Check-outs. Além disso, alguns hotéis até me permitiram ficar como house use. Por isso, aprendi sobre o poder de estar dos dois lados da recepção.

Depois de atravessar as portas giratórias e encontrar-se examinando um lobby, o hotel quer que sinta uma coisa acima de todas as outras: em casa. Se retornar a um hotel e se sentir como se estivesse, de certa forma, voltando para casa, então o hotel teve êxito. Na próxima vez que reservar naquela cidade ou país, vai querer ficar nesse mesmo hotel. Mas sentir-se em casa não vem de saber quais são as ruas transversais, em que andar o Gym está localizado, ou saber com antecedência qual será a cor da almofada. Vem das pessoas, da equipe. Se você empurrar as portas giratórias e um rosto familiar o cumprimenta com um sorriso, talvez um “Bem-vindo de volta”, ou mesmo usando o seu nome, então você está em casa. As pessoas aqui se preocupam contigo. Eles irão ajudá-lo antes de ajudar os outros.

Como alguém consegue isso?

Opção 1: Retorne a esse hotel uma e outra vez, então a equipe não tem escolha senão aprender seu rosto, seu nome e suas preferências.

Já fiz Check-in de 150 convidados em um único dia. É um giro giratório de rostos; Um longo fluxo de nome após o nome. Durante um stop over, cheguei a fazer Check-in a 50 pessoas uma após a outra, sem pausa entre convidados e nunca olhei para um único rosto. Então … a opção um vai levá-lo pelo menos seis meses.

Opção dois: Dê uma gorjeta. Um pouco. Eu não estou sugerindo que traga um saco de lixo cheio de dinheiro e jogue aglomerados de notas no ar enquanto 50 cent toca no fundo (embora isso fosse fantástico! Se combinado com música … ainda melhor). E não estou sugerindo que precise dar uma nota de vinte para todos.

Que tal uma moeda de 2€? Uma pequena moeda de 2€ ao Recepcionista que está a fazer o seu check-in. Lembra-se do fluxo de 50 convidados que eu nunca olhei? Quando alguém é simpático o suficiente para colocar uma moeda de 2€ na mesa e dizer: “Agradeço sua ajuda. Está trabalhando bem. Isso é para ti”, minha digitação furiosa diminui e eu olho para cima. E na minha cara é um sorriso. Porque essa foi uma coisa muito boa para dizer. É uma coisa doce de se fazer. Não vamos nem falar sobre o fato de que eu possa fazer upgrade ou dar-lhe o melhor quarto disponível em sua categoria. A simpatia gera simpatia. Agora nós tivemos uma interação pessoal e, quando te vejo mais tarde, voltando para o hotel depois do jantar, eu posso acenar e sorrir. Eu direi: “Bem-vindo de volta!” E vou dizer isso. Vou perguntar: “Como foi o jantar? Onde foi?” E vou ouvir porque eu gosto de ti. Porque você é simpático.

São as coisas simples que fazem-se destacar da multidão. E se você é um viajante freqüente, atingindo a cidade após a cidade e o hotel após o hotel, pode ficar muito sozinho. Você sente falta de sua casa. O lobby é um lugar estranho cheio de estranhos estranhos. Mas uma dica simples e pequena, combinada com algumas palavras agradáveis, pode trazer o calor que você perdeu. Você se sentirá gentil e generoso porque você realmente foi gentil e generoso. E isso só custou 2 euros.

É uma falácia, que o dinheiro é a raiz de todo o mal. Ser caridoso e generoso com isso é uma virtude.

Uma noite eu trouxe uma miúda para aquele x-tudo de bacon. Eu sei, eu sei, não é lugar para trazer um encontro. Mas quando o cara no balcão viu-me com uma senhora, ele fez um grande show de me reconhecer. Ele disse à mulher que me acompanhava que eu era um ótimo cliente e um grande homem. “Este homem, ele é um bom homem”, Disse ele para ela. Ela sorriu, espantada. Mais tarde, ela não conseguiu deixá-lo ir: ela colocou sua mão macia no meu braço e disse: “Aquele rapaz da roulote, ama-te!”(Fodor’sTravel)

Trazê-la para comer um x-tudo fez-me parecer o Brad Pitt do Carregado.

E só me custou 50 cêntimos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s